terça-feira, 29 de dezembro de 2009

OS HOMENS E O TEATRO...

COM RELAÇÃO AOS HOMENS POSSO DIZER O SEGUINTE:
 
"AS MELHORES VAGAS ESTÃO SEMPRE OCUPADAS PARA AS QUE CHEGAM ATRASADAS AO ESPETÀCULO,
E SE FOR PRA ME CONTENTAR EM ASSISTIR DA ÚLTIMA FILA, PREFIRO FICAR DE FORA DO TEATRO..."
 
Morgana Fernandes

LEVE A VIDA, NÃO DEIXE QUE ELA LEVE VOCÊ...

Hoje eu levo a vida de forma mais leve, não mais corro nem fico estressada quando estou atrasada, controlo minha impaciência congênita e dou risada de tudo que acontece, alguns podem achar que fantasio minha vida e sinceramente se eu de fato fantasiar, acho que é um problema meu, cada um tem o direito de fazer com a sua vida o que acha que deve, desde que esteja disposto a encarar as conseqüências disso.

Seguir regras, ser politicamente correta, posar de boa moça, passar uma imagem diferente daquilo que de fato sou, está fora do meu script, sinceramente acho um saco
Fingir ser algo que na verdade não sou, pra representar existe o palco, na vida real quero exercer o direito de ser eu mesma, com todos os meus defeitos, amo cada um deles, me aceito do jeito que sou e se alguém não me aceitar, o problema é da pessoa, ninguém consegue mudar o que você é, ninguém pode roubar sua essência, seu brilho, só você pode se ofuscar, podemos não ser donos de nossos destinos mas somos donos de nossos caminhos, escolhemos por quais ruas percorrer, que rumo tomar, que lugares desbravar.

Por isso caminho confiante na certeza de que se eu pegar um caminho errado, se eu me perder em algum momento, basta caminhar um pouco e encontrarei um retorno, os retornos sempre existem, e tolo é quem não tem a capacidade de admitir que eles são necessários, penso que sempre que preciso pegar um retorno, não significa que atrasei minha viagem ou que perdi tempo, penso que fui presenteada com um tempo necessário para refletir a respeito de qual o motivo que fez com que eu me perdesse, que me fez errar.

Não tenho hoje a menor pretensão de parecer perfeita, na verdade não tenho a menor pretensão de parecer nada, eu me orgulho de SER e não parecer SER, Ser o que sou, fazer o que faço, chorar quando quero, cantar quando gosto, gritar quando fujo, poder ser quem realmente sou é uma liberdade sem limite, um prazer transcendental, uma realização anormal, sinto falta sim admito de muitas coisas, mas ser aquilo que de fato sou me leva tão longe, ter uma identidade, um nome, saber ou simplesmente não saber onde ir, o que fazer.

Cada um de nós precisa ser SENHOR de suas escolhas, precisamos ser mais nós mesmos, ter menos culpa e mais ciência de nossa vida, de nosso corpo, de nossos sonhos... Só assim é possível levar a vida e não deixar que ela leve você!!!

Morgana Fernandes

LEVE A VIDA, NÃO DEIXE QUE ELA LEVE VOCÊ...

Hoje eu levo a vida de forma mais leve, não mais corro nem fico estressada quando estou atrasada, controlo minha impaciência congênita e dou risada de tudo que acontece, alguns podem achar que fantasio minha vida e sinceramente se eu de fato fantasiar, acho que é um problema meu, cada um tem o direito de fazer com a sua vida o que acha que deve, desde que esteja disposto a encarar as conseqüências disso.

Seguir regras, ser politicamente correta, posar de boa moça, passar uma imagem diferente daquilo que de fato sou, está fora do meu script, sinceramente acho um saco
Fingir ser algo que na verdade não sou, pra representar existe o palco, na vida real quero exercer o direito de ser eu mesma, com todos os meus defeitos, amo cada um deles, me aceito do jeito que sou e se alguém não me aceitar, o problema é da pessoa, ninguém consegue mudar o que você é, ninguém pode roubar sua essência, seu brilho, só você pode se ofuscar, podemos não ser donos de nossos destinos mas somos donos de nossos caminhos, escolhemos por quais ruas percorrer, que rumo tomar, que lugares desbravar.

Por isso caminho confiante na certeza de que se eu pegar um caminho errado, se eu me perder em algum momento, basta caminhar um pouco e encontrarei um retorno, os retornos sempre existem, e tolo é quem não tem a capacidade de admitir que eles são necessários, penso que sempre que preciso pegar um retorno, não significa que atrasei minha viagem ou que perdi tempo, penso que fui presenteada com um tempo necessário para refletir a respeito de qual o motivo que fez com que eu me perdesse, que me fez errar.

Não tenho hoje a menor pretensão de parecer perfeita, na verdade não tenho a menor pretensão de parecer nada, eu me orgulho de SER e não parecer SER, Ser o que sou, fazer o que faço, chorar quando quero, cantar quando gosto, gritar quando fujo, poder ser quem realmente sou é uma liberdade sem limite, um prazer transcendental, uma realização anormal, sinto falta sim admito de muitas coisas, mas ser aquilo que de fato sou me leva tão longe, ter uma identidade, um nome, saber ou simplesmente não saber onde ir, o que fazer.

Cada um de nós precisa ser SENHOR de suas escolhas, precisamos ser mais nós mesmos, ter menos culpa e mais ciência de nossa vida, de nosso corpo, de nossos sonhos... Só assim é possível levar a vida e não deixar que ela leve você!!!

Morgana Fernandes

FAZ DE CONTA - MARTHA MEDEIROS

Faz de Conta

Não respondo teus e-mails, e quando respondo sou ríspido, distante, mantenho-me alheio: FAZ DE CONTA QUE EU TE ODEIO

Te encho de palavras carinhosas, não economizo elogios, me surpreendo de tanto afeto que consigo inventar, sou uma atriz, sou do ramo: FAZ DE CONTA QUE EU TE AMO.

Estou sempre olhando pro relógio, sempre enaltecendo os planos que eu tinha e que os outros boicotaram, sempre reclamando que os outros fazem tudo errado: FAZ DE CONTA QUE EU DOU CONTA DO RECADO.

Debocho de festas e de roupas glamurosas, não entendo como é que alguém consegue dormir tarde todas as noites, convidados permanentes para baladas na área vip do inferno: FAZ DE CONTA QUE EU NÃO QUERO.

Choro ao assistir o telejornal, lamento a dor dos outros e passo noites em claro tentando entender corrupções, descasos, tudo o que demonstra o quanto foi desperdiçado meu voto:FAZ DE CONTA QUE EU ME IMPORTO.

Digo que perdôo, ofereço cafezinho, lembro dos bons momentos, digo que os ruins ficaram no passado, que já não lembro de nada, pessoas maduras sabem que toda mágoa é peso morto: FAZ DE CONTA QUE EU NÃO SOFRO.

Cito Aristóteles e Platão, aplaudo ferros retorcidos em galerias de arte, leio poesia concreta, compro telas abstratas, fico fascinada com um arranjo techno para uma música clássica e assisto sem legenda o mais recente filme romeno: FAZ DE CONTA QUE EU ENTENDO.

Tenho todos os ingredientes para um sanduíche inesquecível, a porta da geladeira está lotada de imãs de tele-entrega, mantenho um bar razoavelmente abastecido, um pouco de sal e pimenta na despensa e o fogão tem oito anos mas parece zerinho: FAZ DE CONTA QUE EU COZINHO.

Bem-vindo à Disney, o mundo da fantasia, qual é o seu papel? Você pode ser um fantasma que atravessa paredes, ser anão ou ser gigante, um menino prodígio que decorou bem o texto, a criança ingênua que confiou na bruxa, uma sex symbol a espera do seu cowboy:FAZ DE CONTA QUE NÃO DÓI.

Martha Medeiros

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Meus melhores desejos!!!

Venho aqui para desejar a todos que de alguma forma trilharam comigo o caminho que me trouxe até o fim de 2009...

Que as noites de Natal e Ano Novo sejam muito mais do que simples noites de festas,
Que marquem o inicio de uma nova e bela jornada rumo aos nossos sonhos,
Que possamos nos alegrar com a certeza de que somos alguém que de fato faz a diferença no meio em que vive,
Tendo a consciência de que oferecendo nosso melhor, somos capazes de realizar qualquer coisa.

Que tenhamos novos olhos para o ano que se inicia, trazendo com ele a certeza de somos capazes de realizar.
Tudo aquilo em que acreditamos, todos os nossos sonhos sejam eles individuais ou coletivos,
pois a vida nos presenteia mais uma vez com 365 novos dias trazendo com eles
um imenso horizonte de novas possibilidades e oportunidades,
de mudar tudo aquilo que de alguma forma nos incomoda,
felizes são aqueles que se sentem incomodados e inconformados
com a realidade que lhes é apresentada, pois a estes é dada a oportunidade única de transforma-la
e molda-la a seu gosto.

Agradeço a todos pelos momentos compartilhados neste ano e deixo aqui meu desejo mais sincero de Feliz Natal
e que em 2010 possamos juntos trilhar nossos caminhos rumo aos nossos sonhos e anseios.

Beijos e Abraços fraternos,
Morgana Fernandes

Martha Medeiros - O photoshop em discussão

O photoshop em discussão

Recebi de uma amiga o link para uma matéria que fala sobre um anúncio que foi tirado de circulação na Inglaterra. O anúncio era de um creme antirrugas da Olay, que mostrava a foto da modelo Twiggy, a mais famosa top model dos anos 60, que hoje está justamente com 60 anos de idade. Porém o rosto do anúncio parecia o de uma mulher de não mais de 35 - qual o milagre? O creme da Olay? Não. O milagre chama-se photoshop. A matéria mostra a foto feita para o anúncio e a foto da modelo sem retoques, e a diferença é brutal. Dê uma conferida (não esqueça de ampliar a imagem).

http://oglobo.globo.com/vivermelhor/mulher/mat/2009/12/16/gra-bretanha-proibe-veiculacao-de-anuncio-de-creme-antirrugas-com-modelo-twiggy-retocada-com-photoshop-915234260.asp

*


A Europa está começando uma guerra contra o photoshop que ainda vai dar muito o que falar. A edição de novembro da revista Elle espanhola traz um ensaio com 12 mulheres famosas, entre 25 e 68 anos, que toparam fotografar para a revista sem um pingo de maquiagem e sem photoshop. São modelos, jornalistas e atrizes muito conhecidas em seu país (entre elas a deslumbrante Paz Vega) e todas elas foram unânimes ao declarar que o photoshop, quando usado com muita parcimônia, pode ser um aliado, mas o que está acontecendo é que a parcimônia foi pro espaço, e hoje os editores estão publicando fotos de mulheres com a cabeça mais larga que o quadril. Perfeitas alienígenas. Uma delas revelou que certa vez uma foto sua foi publicada praticamente sem o nariz. São verdadeiras aberrações que ganham as bancas de revistas e engambelam as leitoras, que acabam acreditando que aquilo é o retrato da realidade e, inconformadas ao se compararem com as beldades, passam a adotar hábitos prejudicias à saúde e que levam à anorexia.

*

Eu não acredito que o photoshop irá desaparecer de vez, mas é interessante que esteja ocorrendo essa campanha clamando pelo seu uso com mais bom senso. O fato de uma ferramenta tecnológica possibilitar retoques fotográficos não significa que possa ser usado indiscriminadamente. O photoshop é utilizado, entre outras coisas, para fotos de alimentos também. Tira-se uma sujeirinha do tomate, incrementa-se o seu vermelho, torna-se o fruto mais apetitoso. Nenhum problema: ninguém sonha em ser um tomate. Mas as mulheres sonham em ser uma Cameron Diaz.

*

Eu tive essa experiência uma única vez, quando fui fotografada para uma matéria de uma revista feminina, acho que faz uns dois anos. Quando vi as fotos publicadas, bateu um estranhamento. Pensei: ok, tô bonitinha, só que não sou eu. Não que eu tenha rugas e bolsas embaixo dos olhos: não tenho quase nada, a genética da família é forte. Minha mãe, aos 72, tem pouquíssimas rugas, e minha avó, que faleceu aos 90, parecia ter uns 15 anos menos. Mesmo assim, a foto da revista era irreal. Os outros poderiam não notar, mas percebi na hora. Claro que, por um lado, a vaidade agradece, mas por outro, é um incômodo. Eu pensava: como vão acreditar no conteúdo da matéria, como vão confiar que estou sendo sincera, se meu rosto não corresponde à verdade?

*

Segredos de beleza, meninas: um pouquinho de maquiagem, sim (mas não muita, porque maquiagem demais envelhece) e, no mais, uma boa iluminação, luz é tudo. Sem esquecer a luz que vem de dentro: felicidade rejuvenece. E também a personalidade, o carisma natural e uma noite bem dormida. Ah, na matéria da revista Elle, uma das entrevistadas diz que o momento em que as mulheres ficam mais bonitas é logo depois que fazem amor. Adorei.

*

Belíssimas e belíssimos, até a próxima.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Caminho ou Destino???

Aproveite a viagem sem pressa de chegar pois quase sempre, o que de fato irá te encher os olhos está no caminho e não no destino.

Na maioria das vezes nos preocupamos tanto em chegar num determinado local, conquistar uma determinada pessoa, atingir um sonhado objetivo, que nos esquecemos de observar o quão bonito pode ser o caminho que nos leva até ele, toda a diversidade de cores, sabores e situações que nos acompanham nesta jornada, as pessoas que passam por nós e muitas vezes cegos pela ânsia de chegar, deixamos de percebemos, as flores a desabrocharem na nossa frente que sem perceber ignoramos o sol que se põe no horizonte irradiando cor e calor num espectáculo fantástico e nós simplesmente não olhamos, a lua cheia que nos encanta todos os meses, o barulho das ondas que ecoa como melodia nas noites de verão, as vozes do mundo, as vozes do nosso próprio coração que por medo calamos.

Quando almejamos muito algo, muitas vezes acabamos perdendo a essência deste desejo, o caminho que nos leva até aquilo que desejamos, é muitas vezes sem percebermos algo melhor do que aquilo que inicialmente sonhamos, o que queremos objetivo está ali bem ao nosso lado, no meio da estrada, nos cutucando, nos implorando atenção, fácil, acessível, disponível, tão nosso que nem percebemos, o segredo é aprendermos a olhar ao nosso redor, na verdade olhar de outras maneiras, enxergar com os ouvidos e ouvir com os olhos a tudo que este caminho nos oferece, isso fará toda a diferença, para que quando chegarmos onde queremos, não tenhamos que olhar pra trás e perceber que o que tanto queríamos esteve ao nosso lado todo o tempo e na cegueira de chegar, acabamos por não notar...

Caminho pela vida sem me preocupar em quando, nem tão pouco como vou chegar, pois meu melhor destino é pela vida caminhar...

Morgana Fernandes

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

LEMBRANÇAS E RECORDAÇÕES



Engraçado como muitas vezes, uma imagem, um cheiro, um gosto são capazes de nos fazer viajar no tempo tempo e no espaço, aguçam nossa imaginação e incendeiam nosso coração, trazendo uma satisfação de felicidade plena e absoluta.

Agora a pouco ganhei um bala, incrível como uma simples bala, me remeteu a sensações e momentos tão especiais da minha vida.

Quando era criança minha avó materna tinha o costume de comprar um pacote desta mesma bala todo quinto dia útil do mês após receber seu misero salário de auxiliar de limpeza, ela chegava alegre e contente com o pacote de balas nas mãos, distribuindo não apenas um doce, mas junto com ele toda sua alegria, energia e afeição por nós todos.

Minha avó era uma mulher incrível, firme, forte, corajosa, dois maridos, duas separações conturbadas, que lhe renderam cinco filhos para sustentar, teve que trabalhar duro pra dar conta de tudo sozinha, e mesmo assim com tudo isso era uma mulher fantástica, invejável mesmo, andava sempre alinhada em seus conjuntos de linho muito bem passados, mantinha sua casa de madeira sempre muito limpa, fecho os olhos e consigo sentir o cheiro da cera que ela passava no chão de toda casa que brilhava, nossa! como aquele chão brilhava, de fato ele só não brilhava mais do que os olhos dela, esse brilho é inesquecível e fascinante, portadora de uma alegria de viver invejável até mesmo as crianças de hoje em dia, fazia milagres com o salário que ganhava, nunca a vi reclamar de nada, na sua casa todos eram bem vindos e eram recebidos com café fresquinho e uma torta, aprendi muita coisa no pouco tempo que convivi com minha avó, uma mulher corajosa que corria com os ladrões da rua, estava sempre pronta a ajudar a todos que muitas vezes nem precisavam pedir ajuda, uma mulher em quem a vida bateu muito mas que nunca deixou se abalar, nunca perdeu sua essência, nunca deixou que os acontecimentos a modificassem, morreu mas deixou muito dela em todos nós, e agora nesta época de Natal, chego a perceber que os Natais deixaram de ser especiais e divertidos pra mim depois que ela morreu, hoje em dia acho o Natal triste, acho o mês de dezembro triste e frio embora seja verão, acho que sinto a falta do calor da minha avó, da festa que era arrumar a arvore de natal, arrancar a grama do jardim, pra colocar no chão da sala e lá em cima montar o presépio junto com todos os netos, minha mãe nunca gostou dessas formalidades natalinas, mas minha avó não, ela adorava, deixar tudo lindo para reunir a família no Natal, de fato uma mulher admirável em quem sempre me espelhei, onde sempre busquei força em todos os momentos da minha vida, uma mulher que não teve medo de ficar sozinha e que buscou dentro dela a força necessária pra ser feliz apesar de tantas dificuldades que a vida lhe impôs...

É isso aí, continuo amando minha avó e trago ela no meu coração, espero um dia que meus netos tenham boas lembranças de mim tais como as que tenho dela, e de pensar que todas essas sensações foram despertadas por uma simples bala... Definitivamente nada acontece por acaso, de repente tudo que eu precisava no dia de hoje era sentir o gosto doce das lembranças que me remetem ao verdadeiro espírito do Natal a verdadeira essência desta época.

Morgana Fernandes

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Brincar de amar até a próxima lua cheia chegar...


Se gosto de brincar de amar,
se nisso mora o segredo de sonhar,
eu digo apenas que preciso de mais do que simplesmente existir,
resisto ao amor,
anseio pelo calor mas tenho medo da dor,
como viver sem nunca sofrer?
Como de fato acordar pela manhã e decidir que será feliz,
sorrir para o sol, olhar para a lua,
encanta-la e confundir-se com sua luz, sua cor,
seu vigor e seu frescor,
deixar que ela reflita nos seus olhos senti-la como se a estivesse tocando nua,
sua, não somente a lua, os céticos bobos podem rir,
mas deixem que riam, deixem que falem,
se é brincar de amor que mais feliz, quero viver assim,
sorrindo pra lua por uma fase ou duas me sentindo tão sua e se me decepcionar
é só esperar a próxima lua cheia chegar...

Morgana Fernandes

Pensamentos soltos...



Algumas coisas não precisam ser ditas,
outras precisam ser sentidas e não são,
algumas pessoas precisam ser sentidas,
outras apenas ditas, alguns são outros apenas existem,
uns estendem a mão outros apenas resistem,
uns amam outros vivem,
e por alguns instantes penso que nunca entendo o que de fato dizem,
nem eles enxergam o que mostro, ou no que aposto.

Morgana Fernandes

Não devia, não podia, mas te quero!!!

É isso aí gosto de você...
Gosto e ponto...
Gosto do teu cheiro, do teu rosto
Gosto do teu corpo no meu corpo
Tuas mãos na minha cintura
Tua voz no meu ouvido a dizer loucuras
Teus olhos a olhar nos meus
Sem falar, sem tocar
Ficas a me desejar

É bem isso... quero você
Quero e pronto
Quero teu cheiro no meu corpo
Quero teu rosto no espelho
Quero teu corpo em minhas mãos
Sussurrando ao telefone
Me intimidando com os olhos
Mexendo no meu cabelo
Deitada no teu peito
Fico a implorar

Um pouco de sossego
Um resto de desapego
Um abraço de aconchego
Em teu peito macio
O meu corpo arrepia
Ter você todo dia
Ah como eu queria...

Morgana Fernandes

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Rifa-se um coração - Clarice lispector

Rifa-se um coração
Rifa-se um coração quase novo.
Um coração idealista.
Um coração como poucos.
Um coração à moda antiga.
Um coração moleque que insiste
em pregar peças no seu usuário.
Rifa-se um coração que na realidade está um
pouco usado, meio calejado, muito machucado
e que teima em alimentar sonhos e, cultivar ilusões.
Um pouco inconseqüente que nunca desiste
de acreditar nas pessoas.
Um leviano e precipitado coração
que acha que Tim Maia
estava certo quando escreveu...
"...não quero dinheiro, eu quero amor sincero,
é isso que eu espero...".
Um idealista...Um verdadeiro sonhador...
Rifa-se um coração que nunca aprende.
Que não endurece, e mantém sempre viva a
esperança de ser feliz, sendo simples e natural.
Um coração insensato que comanda o racional
sendo louco o suficiente para se apaixonar.
Um furioso suicida que vive procurando
relações e emoções verdadeiras.
Rifa-se um coração que insiste em cometer
sempre os mesmos erros.
Esse coração que erra, briga, se expõe.
Perde o juízo por completo em nome
de causas e paixões.
Sai do sério e, às vezes revê suas posições
arrependido de palavras e gestos.
Este coração tantas vezes incompreendido.
Tantas vezes provocado.
Tantas vezes impulsivo.
Rifa-se este desequilibrado emocional
que abre sorrisos tão largos que quase dá
pra engolir as orelhas, mas que
também arranca lágrimas
e faz murchar o rosto.
Um coração para ser alugado,
ou mesmo utilizado
por quem gosta de emoções fortes.
Um órgão abestado indicado apenas para
quem quer viver intensamente
contra indicado para os que apenas pretendem
passar pela vida matando o tempo,
defendendo-se das emoções.
Rifa-se um coração tão inocente
que se mostra sem armaduras
e deixa louco o seu usuário.
Um coração que quando parar de bater
ouvirá o seu usuário dizer
para São Pedro na hora da prestação de contas:
"O Senhor pode conferir. Eu fiz tudo certo,
só errei quando coloquei sentimento.
Só fiz bobagens e me dei mal
quando ouvi este louco coração de criança
que insiste em não endurecer e,
se recusa a envelhecer"
Rifa-se um coração, ou mesmo troca-se por
outro que tenha um pouco mais de juízo.
Um órgão mais fiel ao seu usuário.
Um amigo do peito que não maltrate
tanto o ser que o abriga.
Um coração que não seja tão inconseqüente.
Rifa-se um coração cego, surdo e mudo,
mas que incomoda um bocado.
Um verdadeiro caçador de aventuras que ainda
não foi adotado, provavelmente, por se recusar
a cultivar ares selvagens ou racionais,
por não querer perder o estilo.
Oferece-se um coração vadio,
sem raça, sem pedigree.
Um simples coração humano.
Um impulsivo membro de comportamento
até meio ultrapassado.
Um modelo cheio de defeitos que,
mesmo estando fora do mercado,
faz questão de não se modernizar,
mas vez por outra,
constrange o corpo que o domina.
Um velho coração que convence
seu usuário a publicar seus segredos
e a ter a petulância de se aventurar como poeta

Clarice Lispector

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

"ESSA TAL FELICIDADE"

A Importância de ser FELIZ...

Durante muito tempo na vida eu busquei a felicidade, uma busca constante e muitas vezes decepcionante, buscava algo que não sabia quantificar, ou nem ao menos reconhecer, buscava algo que me era tão estranho e abstrato que de certa forma a sensação era que nunca iria encontrar “Essa tal FELICIDADE”.
De repente descobri ao longo dos anos e com alguns acontecimentos, que a felicidade nada mais é que uma maneira diferente de se viver, de ver o mundo, de sentir o mundo e as pessoas que nele estão, ser feliz por mais frase feita que possa parecer nada mais é que uma questão de escolha, uma escolha gratuita e muito fácil e isso me é tão claro hoje em dia que vejo que o difícil é ser infeliz, o difícil é renegar todas as coisas que tenho em abundância ao alcance das minhas mãos todos os dias que são a expressão mais pura da felicidade e enxergar apenas o que em minha concepção ainda me falta.
Ser feliz é uma conquista diária e constante, sempre haverá vários caminhos a serem percorridos, e você não precisa escolher o caminho que a sociedade julga ser o certo, você só precisa escolher o seu caminho, o caminho que te faz feliz, não o que um dia poderá te fazer feliz, mas o que já te faz feliz só pelo fato de você saber que ele existe.
Todos têm momentos de baixa, mas o grande segredo é: “o quanto permitimos” que estes momentos interfiram na nossa vida, como olhamos pra eles, temos que aprender a ouvir com outros olhos tudo que cerca nossa vida, temos que aprender a ver com o tato, a fugir do obvio, a analisar todas as situações sob uma nova óptica com um novo olhar, parar de enxergar os problemas e parar também de buscar “soluções” para os “tais problemas”, o mapa da mina é não enxergar problemas, no máximo encarar como imprevistos, leves tropeços que aconteceram para te mostrar que as coisas podem ser diferentes, e que o imprevisível pode ser mágico e transformador.
Algum tempo atrás conversando com um amigo disse que estava triste porque tinha decidido largar um emprego, e ele me perguntou se eu era feliz lá, eu respondi que “mais ou menos”, então ele me disse que eu não devia lamentar, e me questionou se eu lá tinha nascido pra ser feliz “mais ou menos”e hoje é essa a pergunta que me faço antes de lamentar por qualquer “perda”, ou melhor qualquer contratempo que ocorre na minha vida, se rompi com alguém ou alguma coisa é porque de alguma forma aquilo já não me fazia bem, aquilo não era parte da felicidade que deve ser a minha vida e se não faz parte da felicidade, devo ficar feliz por ter deixado de fazer parte da minha vida, porque eu tenho dentro de mim a certeza de que nasci para ser Feliz e ser feliz plenamente e isso não é utopia, não pra mim ao menos, pois eu escolhi que assim fosse e desta forma assim será.
Ser feliz é fazer da própria felicidade um jeito de viver e com isso contagiar a todos a seu redor com a luz da sua própria felicidade, ser feliz é olhar nos olhos e sorrir sinceramente, ser feliz é olhar o mar pela manhã, andar com os pés descalços na areia, sentir o vento no seu rosto e pensar que só por poder desfrutar de tudo isso, você já deveria ser imensamente feliz e se um dia disseram que sua felicidade irrita alguém, chame essa pessoa pra ser feliz junto com você...

Morgana Fernandes

Dois homens olharam através das grades da prisão; / um viu a lama, o outro as estrelas. (Santo Agostinho)

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

AMOR INCONDICIONAL...



AO CONHECE-LOS DESCOBRI O SENTIDO DA PALAVRA PRA SEMPRE, O SENTIDO DA PALAVRA AMIZADE,
O SENTIDO DA PALAVRA COMUN-UNIDADE,
E REDESCOBRI O SENTIDO DA PALAVRA FELICIDADE...
VOCÊS SÃO MEUS E NINGUEM ME TIRA ISSO,
VAMOS MUDAR O MUNDO E REALIZAR TODOS OS NOSSOS SONHOS,
AMIGOS VOCÊ NÃO CONHECE,
AMIGOS VOCÊ RECONHECE,
PORQUE ELES SEMPRE FIZERAM PARTE DE SUA VIDA,
MESMO ANTES DE ENCONTRA-LOS,
ELES JÁ ESTAVAM LÁ EM SEUS SONHOS E SEUS PENSAMENTOS,
RECONHECER TANTOS AMIGOS DE UMA SÓ VEZ,
É ALGO MÁGICO E TRANSFORMADOR,
UM SONHO REALIZADO E MATERIALIZADO,
EM SORRISOS,
ABRAÇOS INESPERADOS, ABRAÇOS ESPERADOS,
CONFIDÊNCIAS NO SILÊNCIO,
SENTIMENTOS DEMONSTRADOS NO SIMPLES TOQUE DAS MÃOS...
AMO AMO AMO MUITO MESMO,
VIVO E VIVO FELIZ POR MIM, POR VOCÊS E PELO MUNDO QUE JUNTOS ESTAMOS CONSTRUINDO...

Não é que eu esteja procurando o infinito...


Não é que eu esteja procurando o infinito...
O pouco não me serve, o médio não me satisfaz, metades nunca foram meu forte, palavras até me conquistam temporariamente, mas atitudes me prendem, ou me ganham pra sempre!
É bem por aí. O resto vem. O tempo traz. E ninguém tira. Não se perde o que se conquista, só o que se compra. E conquistar sai bem mais caro, mas vale a pena. Vai valer.
E lembra-se: Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão.

Desconheço o autor, mas acho que tem muita relação com o que sou hoje...

domingo, 15 de novembro de 2009

Martha Medeiros - Amor e Perseguição




Amor e perseguição

“As pessoas ficam procurando o amor como solução para todos os seus problemas quando, na realidade, o amor é a recompensa por você ter resolvido os seus problemas”. Norman Mailer. Copiem. Decorem. Aprendam.
Temos a mania de achar que amor é algo que se busca. Buscamos o amor em bares, buscamos o amor na interner, buscamos o amor na parada de ônibus. Como num jogo de esconde-esconde, procuramos pelo amor que está oculto dentro das boates, nas salas de aula, nas platéias dos teatros. Ele certamente está por ali, você quase pode sentir o seu cheiro, precisa apenas descobri-lo e agarrá-lo o mais rápido possível, pois só o amor constrói, só o amor salva, só o amor traz felicidade.
Amor não é medicamento. Se você está deprimido, histérico ou ansioso demais, o amor não se aproximará,e, caso o faça vai frustrar suas expectativas, porque o amor quer ser recebido com saúde e leveza,ele não suporta a idéia de ser ingerido de quatro em quatro horas, como antibiótico para combater as bactérias da solidão e da falta de auto-estima. Você já ouviu muitas vezes alguém dizer: “Quando eu menos esperava, quando eu havia desistido de procurar, o amor apareceu”. Claro, o amor não é bobo, quer ser bem tratado, por isso escolhe as pessoas que, antes de tudo, tratam bem de si mesmas.
“As pessoas ficam procurando o amor como solução para todos os seus problemas quando, na realidade, o amor é a recompensa por você ter resolvido os seus problemas”. Normal Mailer. Divulguem. Repitam. Convençam-se.
O amor, ao contrário do que se pensa, não tem que vir antes de tudo: antes de estabilizar a carreira profissional, antes de viajar pelo mundo, de curtir a vida. Ele não é uma garantia de que, a partir do seu surgimento, tudo o mais dará certo. Queremos o amor como pré-requisito para o sucesso nos outros setores, quando na verdade, o amor espera primeiro você ser feliz para só então surgir diante de você sem máscaras e sem fantasia. É esta a condição. É pegar ou largar.
Para quem acha que isso é chantagem, arrisco sair em defesa do amor: ser feliz é uma exigência razoável e não é tarefa tão complicada. Felizes aqueles que aprendem a administrar seus conflitos, que aceitam suas oscilações de humor, que dão o melhor de si e não se autoflagelam por causa dos erros que cometem. Felicidade é serenidade. Não tem nada a ver com piscinas, carros e muito menos com príncipes encantados. O amor é o prêmio para quem relaxa.
Martha Medeiros

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Minha essência...


Sou de fato muito simples, difícil de ser entendida pela maioria, mas de fato muito simples para algumas pessoas, algumas pessoas incríveis que são capazes de capturar minha essência, olhar através do que represento e enxergar de fato quem sou, a estas pessoas sou grata por me ajudarem a ser um pouco mais Morgana a cada dia...

UMA SÓ REALIDADE!!!


Sentimentos saltando do papel...

Respeitei meu silêncio nesses últimos dias, pois é acreditem andei reflexiva e silenciosa, sei que parece impossível e nem eu mesma acredito nisso, fiz um silêncio interno, um silêncio meu, mas hoje sozinha no meu quarto ouvindo o barulho da chuva, sentindo a falar, sair desse silêncio que me acompanha desde segunda feira a noite e abrir meu coração a respeito de tudo que vivi e senti junto com pessoas extraordinárias em 5 dias incríveis...

Posso começar falando de paixão, emoção, inspiração, loucura, ternura, aventura, faltam-me adjetivos pra descrever toda a intensidade de sentimentos que vivi nestes dias, como sempre digo Oasis é estréia, Oasis é ousar, essa energia nos leva a agir de forma incomum, nos torna pessoas incomuns, viver envolto nesta energia, é viver em outro mundo, é viver no mundo onde o sonho é realidade construída entre amigos, entre irmãos, viver em comum-unidade, abraçar pessoas e ter a certeza de que você não poderia passar pelo mundo sem receber estes abraços, todos somos um, todos somos parte de um todo muito maior, somos família, somos o mundo que queremos viver.

Posso continuar dizendo que ser oasiano é ser acordado às 3 da manhã com amigos gritando na janela pelo seu nome, sair com eles, encontrar pessoas especiais pela primeira vez e ter a certeza ao abraçá-las de que fizeram parte de sua vida desde sempre, seus corações e suas almas sempre estiveram conectadas, faltava apenas o encontro presencial, o sentir-se abraçado, o olhar nos olhos, e essa emoção se repetiu a cada novo abraço, a cada encontro, reencontro, a cada sonho compartilhado, lagrima derramada, lagrimas de alegria, de emoção, de êxtase, de paixão.

Os sentimentos foram e ainda são tão intensos, a vontade de aproveitar cada segundo, de viver cada momento ao máximo, de se desligar e desprender de todo o resto e acreditar apenas no momento presente, nos sonhos reinventados, o construir teorias e conhecimentos o almejar o infinito, a crença nas pessoas e na humanidade reacendida a cada instante, o empoderamento coletivo, observar a tudo isso foi mágico, ver nascer nos olhos, sentir nos abraços, ver outros despertar para o que a algum tempo despertei, ver o mesmo brilho nos olhos, ver amigos maravilhados ao descobrir que é possível sentir tamanha felicidade em saber que de fato podemos fazer a diferença, que de fato somos capazes de acontecer, crescer e transformar.

Por fim posso permanecer lembrando de cada brincadeira, cada riso solto, a energia que nos envolveu no rio no momento das danças, dos cânticos, a emoção compartilhada nos olhares, nos gestos, cada momento de cuidado, cada imagem capturada e eternizada através de fotos, vídeos, lembranças, sentimentos que traduziram a essência de cada um, a essência do todo, a essência deste novo mundo que buscamos, essa essência que poderei reacender dentro de mim a todo instante, que levarei pra toda vida, amigos que farão parte de minha biografia, da minha es - historia que já fizeram toda a diferença no mundo, que já fizeram toda a diferença na minha vida, quebrar paradigmas, aprender para ensinar, reaprender para pensar, amar para se apaixonar, o encantamento e felicidade que me envolvem neste momento é inexplicável, insuperável, incontestável, inviolável, sagrado, sereno, divino e estarrecedor.

Sinto-me envolta e empoderada de toda energia gerada nestes dias e tenho certeza de que está energia permanecerá comigo por toda a vida, ao contrario do vazio que senti ao retornar “a realidade” da primeira vez que senti essa explosão de sentimentos, de quando conheci o movimento, hoje me sinto preenchida, sinto uma saudade alegre de tudo que vivi, mas não sofro pela ausência, não sofro com o retorno nem com o afastamento, hoje sorrio feliz ao lembrar de cada instante, com a certeza de que não retornei a realidade, eu transformei minha realidade, fiz da minha vida um verdadeiro Oasis, não oscilo mais entre duas realidades, essa é a minha realidade, essa é a minha felicidade, esse é meu mundo e é nele que vou viver, minha satisfação de enfim conseguir me encontrar neste mundo em definitivo é tamanha que não sei se consegui traduzir em palavras este sentimento, mas espero ter conseguido expressar mesmo que de uma forma confusa e talvez até mau-escrita um pouco de todo esse sentimento...

Amo vocês, amo o Oasis e amo tudo que dele provém...

O AMOR

O AMOR

Krishnamurti - Do livro: Liberte-se do Passado - Ed. Cultrix - 
Páginas 71 a 78

A necessidade de segurança nas relações gera inevitavelmente o sofrimento e o medo. Essa busca de segurança atrai a insegurança. Já encontrastes alguma vez segurança em alguma de vossas relações? Já? A maioria de nós quer a segurança no amar e no ser amado, mas existirá amor quando cada um está a buscar a própria segurança, seu caminho próprio? Nós não somos amados porque não sabemos amar.

Que é o amor? Esta palavra está tão carregada e corrompida, que quase não tenho vontade de empregá-la. Todo o mundo fala de amor - toda revista e jornal e todo missionário discorre interminavelmente sobre o amor. Amo a minha pátria, amo o meu rei, amo um certo livro, amo aquela montanha, amo o prazer, amo minha esposa, amo a Deus. O amor é uma idéia? Se é, pode então ser cultivado, nutrido, conservado com carinho, moldado, torcido de todas as maneiras possíveis. Quando dizeis que amais a Deus, que significa isso? Significa que amais uma projeção de vossa própria imaginação, uma projeção de vós mesmo, revestida de certas formas de respeitabilidade, conforme o que pensais ser nobre e sagrado; o dizer "Amo a Deus" é puro contra-senso. Quando adorais a Deus, estais adorando a vós mesmo; e isso não é amor.

Incapazes, que somos, de compreender essa coisa humana chamada amor, fugimos para abstrações. O amor pode ser a solução final de todas as dificuldades, problemas e aflições humanas. Assim, como iremos descobrir o que é o amor? Pela simples definição? A Igreja o tem definido de uma maneira, a sociedade de outra, e há também desvios e perversões de toda espécie. A adoração de uma certa pessoa, o amor carnal, a troca de emoções, o companheirismo - será isso o que se entende por amor? Essa foi sempre a norma, o padrão, que se tornou tão pessoal, sensual, limitado, que as religiões declararam que o amor é muito mais do que isso. Naquilo que denominam "amor humano", vêem elas que existe prazer, competição, ciúme, desejo de possuir, de conservar, de controlar, de influir no pensar de outrem e, sabendo da complexidade dessas coisas, dizem as religiões que deve haver outra espécie de amor - divino, belo, imaculado, incorruptível.

Em todo o mundo, certos homens chamados "santos" sempre sustentaram que olhar para uma mulher é pecaminoso; dizem que não podemos aproximar-nos de Deus se nos entregamos ao sexo e, por conseguinte, o negam, embora eles próprios se vejam devorados por ele. Mas, negando o sexo, esses homens arrancam os próprios olhos, decepam a própria língua, uma vez que estão negando toda a beleza da Terra. Deixaram famintos os seus corações e a sua mente; são entes humanos "desidratados"; baniram a beleza, porque a beleza está ligada à mulher.

Pode o amor ser dividido em sagrado e profano, humano e divino, ou só há amor? O amor é para um só e não para muitos? Se digo "Amo-te", isso exclui o amor a outro? O amor é pessoal ou impessoal? Moral ou imoral? Familial ou não familial? Se amais a humanidade, podeis amar o indivíduo? O amor é sentimento? Emoção? O amor é prazer e desejo? Todas essas perguntas indicam - não é verdade? - que temos idéias a respeito do amor, idéias sobre o que ele deve ou não deve ser, um padrão, um código criado pela cultura em que vivemos.

Assim, para examinarmos a questão do amor - o que é o amor - devemos primeiramente libertar-nos das incrustações dos séculos, lançar fora todos os ideais e ideologias sobre o que ele deve ou não deve ser. Dividir qualquer coisa em o que deveria ser e o que é, é a maneira mais ilusória de enfrentar a vida.

Ora, como iremos saber o que é essa chama que denominamos amor - não a maneira de expressá-lo a outrem, porém o que ele próprio significa? Em primeiro lugar, rejeitarei tudo o que a Igreja, a sociedade, meus pais e amigos, todas as pessoas e todos os livros disseram a seu respeito, porque desejo descobrir por mim mesmo o que ele é. Eis um problema imenso, que interessa a toda a humanidade; há milhares de maneiras de defini-lo e eu próprio me vejo todo enredado neste ou naquele padrão, conforme a coisa que, no momento, me dá gosto ou prazer. Por conseguinte, para compreender o amor, não devo em primeiro lugar libertar-me de minhas inclinações e preconceitos? Vejo-me confuso, dilacerado pelos meus próprios desejos e, assim, digo entre mim: "Primeiro, dissipa a tua confusão. Talvez tenhas possibilidade de descobrir o que é o amor através do que ele não é".

O governo ordena: "Vai e mata, por amor à pátria!" Isso é amor? A religião preceitua: "Abandona o sexo, pelo amor de Deus". Isso é amor? O amor é desejo? Não digais que não. Para a maioria de nós, é; desejo acompanhado de prazer, prazer derivado dos sentidos, pelo apego e o preenchimento sexual. Não sou contrário ao sexo, mas vede o que ele implica. O que o sexo vos dá momentaneamente é o total abandono de vós mesmo, mas, depois, voltais à vossa agitação; por conseguinte, desejais a constante repetição desse estado livre de preocupação, de problema, do "eu". Dizeis que amais vossa esposa. Nesse amor está implicado o prazer sexual, o prazer de terdes uma pessoa em casa para cuidar dos filhos e cozinhar. Dependeis dela; ela vos deu o seu corpo, suas emoções, seus incentivos, um certo sentimento de segurança e bem--estar. Um dia, ela vos abandona; aborrece-se ou foge com outro homem, e eis destruído todo o vosso equilíbrio emocional; essa perturbação, de que não gostais, chama-se ciúme. Nele existe sofrimento, ansiedade, ódio e violência. Por conseguinte, o que realmente estais dizendo é: "Enquanto me pertences, eu te amo; mas, tão logo deixes de pertencer-me, começo a odiar-te. Enquanto posso contar contigo para satisfação de minhas necessidades sociais e outras, amo-te, mas, tão logo deixes de atender a minhas necessidades, não gosto mais de ti". Há, pois, antagonismo entre ambos, há separação, e quando vos sentis separados um do outro, não há amor. Mas, se puderdes viver com vossa esposa sem que o pensamento crie todos esses estados contraditórios, essas intermináveis contendas dentro de vós mesmo, talvez então - talvez - sabereis o que é o amor. Sereis então completamente livre, e ela também; ao passo que, se dela dependeis para os vossos prazeres, sois seu escravo. Portanto, quando uma pessoa ama, deve haver liberdade - a pessoa deve estar livre, não só da outra, mas também de si própria.

No estado de pertencer a outro, de ser psicologicamente nutrido por outro, de outro depender - em tudo isso existe sempre, necessariamente, a ansiedade, o medo, o ciúme, a culpa, e enquanto existe medo, não existe amor. A mente que se acha nas garras do sofrimento jamais conhecerá o amor; o sentimentalismo e a emotividade nada, absolutamente nada, têm que ver com o amor. Por conseguinte, o amor nada tem em comum com o prazer e o desejo.

O amor não é produto do pensamento, que é o passado. O pensamento não pode de modo nenhum cultivar o amor. O amor não se deixa cercar e enredar pelo ciúme; porque o ciúme vem do passado. O amor é sempre o presente ativo. Não é "amarei" ou "amei". Se conheceis o amor, não seguireis ninguém. O amor não obedece. Quando se ama, não há respeito nem desrespeito.

Não sabeis o que significa amar realmente alguém - amar sem ódio, sem ciúme, sem raiva, sem procurar interferir no que o outro faz ou pensa, sem condenar, sem comparar - não sabeis o que isso significa? Quando há amor, há comparação? Quando amais alguém de todo o coração, com toda a vossa mente, todo o vosso corpo, todo o vosso ser, existe comparação? Quando vos abandonais completamente a esse amor, não existe "o outro".

O amor tem responsabilidades e deveres, e emprega tais palavras? Quando fazeis alguma coisa por dever, há nisso amor? No dever não há amor. A estrutura do dever, na qual o ente humano se vê aprisionado, o está destruindo. Enquanto sois obrigado a fazer uma coisa, porque é vosso dever fazê-la, não amais a coisa que estais fazendo. Quando há amor, não há dever nem responsabilidade.

A maioria dos pais, infelizmente, pensa que são responsáveis por seus filhos, e seu senso de responsabilidade toma a forma de preceituar-lhes o que devem fazer e o que não devem fazer, o que devem ser e o que não devem ser. Querem que os filhos conquistem uma posição segura na sociedade. Aquilo a que chamam responsabilidade faz parte daquela respeitabilidade que eles cultivam; e a mim me parece que, onde há respeitabilidade, não existe ordem; só lhes interessa o tornar-se um perfeito burguês. Preparando os filhos para se adaptarem à sociedade, estão perpetuando a guerra, o conflito e a brutalidade. Pode-se chamar a isso zelo e amor?

Zelar, com efeito, é cuidar como se cuida de uma árvore ou de uma planta, regando-a, estudando as suas necessidades, escolhendo o solo mais adequado, tratá-la com carinho e ternura; mas, quando preparais os vossos filhos para se adaptarem à sociedade, os estais preparando para serem mortos. Se amásseis vossos filhos, não haveria guerras.

Quando perdeis alguém que amais, verteis lágrimas; essas lágrimas são por vós mesmo ou pelo morto? Estais pranteando a vós mesmo ou ao outro? Já chorastes por outrem? Já chorastes o vosso filho, morto no campo de batalha? Chorastes, decerto, mas essas lágrimas foram produto da autocompaixão ou chorastes porque um ente humano foi morto? Se chorais por autocompaixão, vossas lágrimas nada significam, porque estais interessado em vós mesmo. Se chorais porque vos foi arrebatada uma pessoa em quem "depositastes" muita afeição, não se trata de uma afeição real. Se chorais a morte de vosso irmão, chorai por ele! É muito fácil chorardes por vós mesmo porque ele partiu. Aparentemente, chorais porque vosso coração foi atingido, mas não foi atingido por causa dele; foi atingido pela autocompaixão, e a autocompaixão vos endurece, vos fecha, vos torna embotado e estúpido.

Quando chorais por vós mesmo, será isso amor? - chorar porque ficastes sozinho, porque perdestes o vosso poder; queixar-vos de vossa triste sina, de vosso ambiente - sempre vós a verter lágrimas. Se compreenderdes esse fato, e isso significa pôr-vos em contato com ele tão diretamente como quando tocais uma árvore ou uma coluna ou uma mão, vereis então que o sofrimento é produto do "eu", o sofrimento é criado pelo pensamento, o sofrimento é produto do tempo. Há três anos eu tinha meu irmão; hoje ele é morto e estou sozinho, desolado, não tenho mais a quem recorrer para ter conforto ou companhia, e isso me traz lágrimas aos olhos.

Podeis ver tudo isso acontecer dentro de vós mesmo, se o observardes. Podeis vê-lo de maneira plena, completa, num relance, sem precisardes do tempo analítico. Podeis ver num momento toda a estrutura e natureza dessa coisa desvaliosa e insignificante, chamada "eu" - minhas lágrimas, minha família, minha nação, minha crença, minha religião - toda essa fealdade está em vós. Quando a virdes com vosso coração, e não com vossa mente, quando a virdes do fundo de vosso coração, tereis então a chave que acabará com o sofrimento.

O sofrimento e o amor não podem coexistir, mas no mundo cristão idealizaram o sofrimento, crucificaram-no para o adorar, dando a entender que ninguém pode escapar ao sofri mento a não ser por aquela única porta; tal é a estrutura de uma sociedade religiosa, exploradora.

Assim, ao perguntardes o que é o amor, podeis ter muito medo de ver a resposta. Ela pode significar uma completa reviravolta; poderá dissolver a família; podeis descobrir que não amais vossa esposa ou marido ou filhos (vós os amais?); podeis ter de demolir a casa que construístes; podeis nunca mais voltar ao templo.

Mas, se desejais continuar a descobrir, vereis que o medo, não é amor, a dependência não é amor, o ciúme não é amor, a posse e o domínio não são amor, responsabilidade e dever não são amor, autocompaixão não é amor, a agonia de não ser amado não é amor, que o amor não é o oposto do ódio, como também a humildade não é o oposto da vaidade. Dessarte, se fordes capaz de eliminar tudo isso, não à força, porém lavando-o assim como a chuva fina lava a poeira de muitos dias depositada numa folha, então, talvez, encontrareis aquela flor peregrina que o homem sempre buscou sequiosamente.

Se não tendes amor - não em pequenas gotas, mas em abundância; se não estais transbordando de amor, o mundo irá ao desastre. Intelectualmente, sabeis que a unidade humana é a coisa essencial e que o amor constitui o único caminho para ela, mas quem pode ensinar-vos a amar? Poderá uma autoridade, um método, um sistema ensinar-vos a amar? Se alguém vo-lo ensina, isso não é amor. Podeis dizer: "Eu me exercitarei para o amor. Sentar-me-ei todos os dias para refletir sobre ele. Exercitar-me-ei para ser bondoso, delicado e me forçarei a ser atencioso com os outros"? - Achais que podeis disciplinar-vos para amar, que podeis exercer a vontade para amar? Quando exerceis a vontade e a disciplina para amar, o amor vos foge pela janela. Pela prática de um certo método ou sistema de amar, podeis tornar-vos muito hábil, ou mais bondoso, ou entrar num estado de não violência, mas nada disso tem algo em comum com o amor.

Neste mundo tão dividido e árido não há amor, porque o prazer e o desejo têm a máxima importância, e, todavia, sem amor, vossa vida diária é sem significação. Também, não podeis ter o amor se não tendes a beleza. A beleza não é uma certa coisa que vedes - não é uma bela árvore, um belo quadro, um belo edifício ou uma bela mulher; só há beleza quando o vosso coração e a vossa mente sabem o que é o amor. Sem o amor e aquele percebimento da beleza, não há virtude, e sabeis muito bem que tudo o que fizerdes - melhorar a sociedade, alimentar os pobres - só criará mais malefício, porque, quando não há amor, só há fealdade e pobreza em vosso coração e vossa mente. Mas, quando há amor e beleza, tudo o que se faz é correto, tudo o que se faz é ordem. Se sabeis amar, podeis fazer o que desejardes, porque o amor resolverá todos os outros problemas.

Alcançamos, assim, este ponto: Poderá a mente encontrar o amor sem precisar de disciplina, de pensamento, de coerção, de nenhum livro, instrutor ou guia - encontrá-lo assim como se encontra um belo pôr-de-sol?

Uma coisa me parece absolutamente necessária: a paixão sem motivo, a paixão não resultante de compromisso ou ajustamento, a paixão que não é lascívia. O homem que não sabe o que é paixão, jamais conhecerá o amor, porque o amor só pode existir quando a pessoa se desprende totalmente de si própria.

A mente que busca não é uma mente apaixonada, e não buscar o amor é a única maneira de encontrá-lo; encontrá-lo inesperadamente e não como resultado de qualquer esforço ou experiência. Esse amor, como vereis, não é do tempo; ele é tanto pessoal como impessoal, tanto um só como multidão. Como uma flor perfumosa, podeis aspirar-lhe o perfume, ou passar por ele sem o notardes. Aquela flor é para todos e para aquele que se curva para aspirá-la profundamente e olhá-la com deleite. Quer estejamos muito perto, no jardim, quer muito longe, isso é indiferente à flor, porque ela está cheia de seu perfume e pronta a reparti-lo com todos.

O amor é uma coisa nova, fresca, viva. Não tem ontem nem amanhã. Está além da confusão do pensamento. Só a mente inocente sabe o que é o amor, e a mente inocente pode viver no mundo não inocente. Só é possível encontrá-la, essa coisa maravilhosa que o homem sempre buscou sequiosamente por meio de sacrifícios, de adoração, das relações, do sexo, de toda espécie de prazer e de dor, só é possível encontrá-la quando o pensamento, alcançando a compreensão de si próprio, termina naturalmente. O amor não conhece oposto, não conhece conflito.

Podeis perguntar: "Se encontro esse amor, que será de minha mulher, de minha família? Eles precisam de segurança". Fazendo essa pergunta, mostrais que nunca estivestes fora do campo do pensamento, fora do campo da consciência. Quando tiverdes alguma vez estado fora desse campo, nunca fareis uma tal pergunta, porque sabereis o que é o amor em que não há pensamento e, por conseguinte, não há o tempo. Podeis ler tudo isto hipnotizado e encantado, mas ultrapassar realmente o pensamento e o tempo - o que significa transcender o sofrimento - é estar cônscio de uma dimensão diferente, chamada "amor".

Mas, não sabeis como chegar-vos a essa fonte maravilhosa e, assim, que fazeis? Quando não sabeis o que fazer, nada fazeis, não é verdade? Nada, absolutamente. Então, interiormente, estais completamente em silêncio. Compreendeis o que isso significa? Significa que não estais buscando, nem desejando, nem perseguindo; não existe centro nenhum. Há, então, o amor.

Krishnamurti - Do livro: Liberte-se do Passado - Ed. Cultrix - Páginas 71 a 78

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

PENSAMENTOS DA MADRUGADA...


CONFESSO, ADMITO, NÃO NEGO... EU SOU MULHER!!!

Confesso, não posso mais negar, tentei esconder, enrustir, iludir, mas em certas situações é irritantemente evidente então por fim declaro:

EU SOU MULHER!
Acreditem, sempre me surpreendo nestes momentos femininos, fragil, sensivel, até fútil, aparentemente apaixonada, possivelmente entregue, cheia de adjetivos, repleta de dúvidas, insegura até, ciumenta talvez, possessiva certamente, pegajosa já seria um exagero, dramatica só se for pra fazer comedia ou charme, depende da sua altivez...

Mas não se engane, mesmo nos meus momentos mais M-u-l-h-e-r, ainda me orgulho de ser muito macho, posso até deixar me pegar pela cintura e falar no meu ouvido, algumas destas mentiras sinceras que toda mulher adora, pode pensar que me engana, pode pensar que me ama, pode achar que me tem nas mãos, pode achar que ganhou meu coração, não se engane ou me engane se for capaz, sinceramente ainda espero pelo dia que alguem irá me surpreender de fato e me enganar, me fazer de boba sem eu nem perceber, que irá explorar toda minha feminilidade, me deixar encantada, retardada, bem abestalhada mesmo, sonhando acordada e fazendo planos...

Mas enquanto isso, me orgulho em dizer que: "Sou mulher com alto nivel de testosterona", mas um sexto sentido quase sobrenatural, confesso que por vezes balanço, finjo que me entrego, não nego, mas sofrer já é pedir d+, não existe fora de cafageste que seja tão devastador, que um belo vestido e maquiagem, acompanhado de belas unhas vermelhas não resolvam em poucos minutos.

Confesso vai, as vezes choro, mas prefiro pensar que não são lagrimas e sim emoção transbordando de um coração que embora não pareça é de carne, choro lembra tristeza, sofrimento,lamentação, emoção transbordando,lembra vida, alegria, adrenalina, satisfação, tesão, sofrimento é prazo longo, juro caro, fardo pesado, já emoção é adrenalina, sair da rotina, sair na surdina, voltar a ser menina, são momentos unicos e especiais, intensos até a ultima gota, sou a favor das lagrimas momentaneas, chorar 5 minutinhos e seguir em frente é revigorante eu diria até sexy e instigante, fico mais interessante depois destes momentos, meus olhos brilham mais e meu corpo inspira e respira o amor... Minhas ideias estão confusas, porque já é tarde, o texto está ruim, mas vou publicar mesmo assim, ao menos vou poder ler e dar risada amanhã pela manhã ou daqui um tempo quando por acaso parar pra ler...

VAI CONFESSO NO FUNDO MAS BEM LÁ NO FUNDO MESMO SOU DE FATO MULHER EM MUITOS MOMENTOS E ATÉ GOSTO!

(mas não espalha que pega mal)

CONF

FESTIVAL OASIS - 30/10 A 02/11

TEMPO DE MUDANÇA...


É chegado enfim o tempo da mudança, mudar as vezes é dificil, mas nunca impossivel, mudamos a roupa, mudamos de emprego, mudamos de casa, de escola, de bairoo de cidade, podemos mudar de país, de namorado, de marido, mudamos até de assunto, de gosto, de rosto, de corpo, mas será que em meio a tantas mudanças que atravessamos todos os dias, em algum momento conseguimos de fato mudar realmente algo dentro de nós???

O que de melhor temos nós a oferecer ao mundo?
Qual o melhor que podemos fazer enquanto estamos aqui?
Quais os sentimentos que vale a pena preservar?
Culpa, inveja, mentira, preconceito onde iremos chegar cultivando estes sentimentos?

É chegado enfim o tempo da mudança, deixe a mudança acontecer em você,
viva, grite, sinta a brisa do mar bater no seu rosto,
ande descalça na praia, molhe-se, entregue-se a beleza da natureza,
sinta a força dela agindo em você, seja ridícula,
os melhores momentos e mais felizes de que tenho lembrança foram aqueles em que fui totalmente ridícula, em que dancei no meio da rua feito criança, em que abri os braços e ofereci meus abraços grátis no meio do shopping a estranhos, em que dancei na calçada, sentei no meio fio do estacionamento, beijei, sorri, senti, vivi...

Não tenha medo de mudar de comportamento, de casa de estado de país, o único medo que tenho é de mudar o que sou, minha essência, minha magia, minha alegria de viver...

Enfim é chegado o tempo da Mudança e descobri que mudo até o mundo se eu quiser, só preciso fazer umas ligações e chamar alguns amigos...

Martha Medeiros


"Meu mundo se resume a palavras que me perfuram, a canções que me comovem, a paixões que já nem lembro, a perguntas sem respostas, a respostas que não me servem, à constante perseguição do que ainda não sei. Meu mundo se resume ao encontro do que é terra e fogo dentro de mim, onde não me enxergo, mas me sinto."
Martha Medeiros

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Festival Oasis

Prezados amigos,
Boa tarde!

Estou aqui para convida-los a participar de algo grandioso que fez toda diferença na minha vida e tenho certeza que fará na de todos vocês também...

EU VOU E ESPERO VER TODOS VOCÊS LÁ COMIGO!!!

Relembre da energia que temos no Natal, Ano Novo, Copa do Mundo. Recorde a união que demonstramos nos momentos de dificuldade, após as chuvas e nas competições esportivas.


Agora imagine aquela energia, aquela união e muitas outras características espetaculares da sociedade catarinense utilizadas para construírmos a melhor Santa Catarina, não apenas uma Santa Catarina melhor.


E que tal fazer isso em clima de festa, de forma alegre, amiga e não menos compromissada. Tudo isso com foco na ação, JÁ!


Festival Oasis - 3 dias para tornar nossos sonhos reais. 30,31/10 e 01/11, Pav. 1 da Vila Germânica, Blumenau/SC. Programação detalhada abaixo!


 

Quer informações rápidas? www.festivaloasis.com . Quer conhecer mais pessoas que desejam a melhor Santa Catarina como você? www.festivaloasis.ning.com . Nos dois você poderá colaborar com o seu melhor para os três dias serem espetaculares, pois o Festival não tem dono, ou melhor, é de todo catarinense que quer agir JÁ por uma nova sociedade.


Conheça algumas das pessoas que estarão com você colaborando na construção do melhor futuro para Santa Catarina:

 

·         Sr. Rodrigo Rocha Loures, presidente do Sistema FIEP

·         Margaret Wheatley, especialista internacional em inovação (videoconferência)

·         Aron Belinky, consultor e conferencista internacional em sustentabilidade

·         Especialistas de várias partes do Brasil em gestão pública, inovação organizacional, permacultura, construções rápidas, habitação sustentável, agricultura em mandala,terapia comunitária, sustentabilidade nas empresas, investigação apreciativa, planejamento em TEvEP




?ui=2&view=att&th=1247d3de9ef18e9e&attid=0.1&disp=attd&realattid=ii_1247d3de9ef18e9e&zw



Morgana Fernandes 
Oasis SC - Navegantes
Fone: (047) 9178-7083
E-mail / msn: morgfernandes@hotmail.com
skype: mfernandes_itj_com
http://festivaloasis.ning.com/profile/MorgFernandes


Navegue com segurança com o Novo Internet Explorer 8. Baixe agora, é gratis!

terça-feira, 20 de outubro de 2009

FESTIVAL OASIS - 30/10 A 02/11

ÉTICA, SUSTENTABILIDADE E O PAPEL DA COMUNICAÇÃO

ÉTICA, SUSTENTABILIDADE E O PAPEL DA COMUNICAÇÃO
Estas palavras e conceitos estarão cada dia mais conectados

Autor: Aser Cortines


Em uma roda de amigos, nas conversas de botequim, nos encontros empresariais, nos atos religiosos, no meio político, enfim em todos os momentos da vida que envolvem gente, as palavras ética e sustentabilidade estão cada vez mais presentes. Utilizadas de forma completamente distintas, estas duas palavras estarão cada dia mais conectadas. Para que possamos falar de ética, precisaremos falar inicialmente sobre a palavra moral. Os termos moral e ética vêm sendo utilizados por muitos com o mesmo sentido e não sem razão, uma vez que recorrendo as origens latina e grega das duas, encontraremos a palavra costumes.

Como tem dito a professora Terezinha Rios é importante fazer a distinção entre estas duas palavras. Moral será para nós o conjunto de normas, regras, procedimentos e leis que nos permitem viver em sociedade. A ética, por ter na sua essência o bem comum, está pautada em princípios e tem como papel principal exercer uma crítica permanente sobre a moral. Dentro desta lógica, diferentemente da moral, que se ajusta quando temos grupos e culturas diferentes, a ética tem a pretensão de ser universal e permanente. No entanto esse conceito tem avançado com a evolução do nível de consciência da humanidade.

O conceito de sustentabilidade, por sua vez, durante muitos anos, foi apropriado por aqueles que viam na questão ambiental um dos maiores, senão o maior, problema do Planeta. Não tendo a menor dúvida de que se não adotarmos uma postura radicalmente diferente em relação aos nossos padrões de consumo e poluição não teremos futuro, temos também clareza que muito mais precisa ser feito.

Dentro deste contexto foi construída a Carta da Terra. Participaram da redação do texto pessoas representando a grande maioria dos Países do nosso Planeta e, por esta razão, muito mais do que um documento de países ou de organizações, a Carta da Terra pertence aos povos do planeta. O documento está formatado em dezesseis grandes princípios, agrupados em quatro grandes blocos que são: Respeitar e Cuidar da Comunidade de Vida, Integridade Ecológica, Justiça social e Econômica e Democracia, não Violência e Paz. Tendo como grande referencial a Carta da Terra o termo sustentabilidade assume a sua verdadeira dimensão.

Assim sendo, para que possamos assegurar a verdadeira sustentabilidade teremos que levar em consideração todos os seus princípios. E é também dentro deste contexto, tendo como pano de fundo a Carta da Terra, que a ética irá avançar. Será possível admitir sustentabilidade sem ética? E sermos éticos com atitudes e posturas não sustentáveis? Por esta razão estas duas palavras estarão cada vez mais conectadas e talvez em um futuro muito mais próximo do que imaginamos, representem a mesma coisa. E o papel da comunicação? É preciso tornar absolutamente claro, para os já quase 6,7 bilhões de habitantes do nosso planeta estas questões. Atingindo esse objetivo a comunicação terá cumprido o seu papel mais nobre que é o de assegurar um mundo melhor para todos. Mesmo não estando ainda preparados ou absolutamente convictos de que este seja o melhor mundo para nós, talvez seja possível chegar a um consenso de que este é o mundo que queremos e sonhamos para nossos filhos e netos. ad

Aser Cortines

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Pensamento da Madrugada...

Desisti de tentar explicar o inexplicável, resolver o que não tem solução, hoje apenas VIVO, logo sou FELIZ...

Pensamento da Madrugada...

Desisti de tentar explicar o inexplicável, resolver o que não tem solução, hoje apenas VIVO, logo sou FELIZ...

Martha Medeiros


'Eu não sirvo de exemplo para nada, mas, se você quer saber se isso é possível, me ofereço como piloto de testes. Sou a Miss Imperfeita, muito prazer. A imperfeita que faz tudo o que precisa fazer, como boa profissional, mãe, filha e mulher que também sou: trabalho todos os dias, ganho minha grana, vou ao supermercado, decido o cardápio das refeições, cuido dos filhos, marido (se tiver), telefono sempre para minha mãe, procuro minhas amigas, namoro, viajo, vou ao cinema, pago minhas contas, respondo a toneladas de e mails, faço revisões no dentista, mamografia, caminho meia hora diariamente, compro flores para casa, providencio os consertos domésticos e ainda faço as unhas e depilação!

E, entre uma coisa e outra, leio livros.

Portanto, sou ocupada, mas não uma workholic.

Por mais disciplinada e responsável que eu seja, aprendi duas coisinhas que operam milagres.

Primeiro: a dizer NÃO.

Segundo: a não sentir um pingo de culpa por dizer NÃO. Culpa por nada, aliás.

Existe a Coca Zero, o Fome Zero, o Recruta Zero. Pois inclua na sua lista a Culpa Zero.

Quando você nasceu, nenhum profeta adentrou a sala da maternidade e lhe apontou o dedo dizendo que a partir daquele momento você seria modelo para os outros.

Seu pai e sua mãe, acredite, não tiveram essa expectativa: tudo o que desejaram é que você não chorasse muito durante as madrugadas e mamasse direitinho.

Você não é Nossa Senhora.

Você é, humildemente, uma mulher.

E, se não aprender a delegar, a priorizar e a se divertir, bye-bye vida interessante. Porque vida interessante não é ter a agenda lotada, não é ser sempre politicamente correta, não é topar qualquer projeto por dinheiro, não é atender a todos e criar para si a falsa impressão de ser indispensável. É ter tempo.

Tempo para fazer nada.

Tempo para fazer tudo.

Tempo para dançar sozinha na sala.

Tempo para bisbilhotar uma loja de discos.

Tempo para sumir dois dias com seu amor.

Três dias.

Cinco dias!

Tempo para uma massagem.

Tempo para ver a novela.

Tempo para receber aquela sua amiga que é consultora de produtos de beleza.

Tempo para fazer um trabalho voluntário.

Tempo para procurar um abajur novo para seu quarto.

Tempo para conhecer outras pessoas.

Voltar a estudar.

Para engravidar.

Tempo para escrever um livro que você nem sabe se um dia será editado.

Tempo, principalmente, para descobrir que você pode ser perfeitamente organizada e profissional sem deixar de existir.

Porque nossa existência não é contabilizada por um relógio de ponto ou pela quantidade de memorandos virtuais que atolam nossa caixa postal.

Existir, a que será que se destina?

Destina-se a ter o tempo a favor, e não contra.

A mulher moderna anda muito antiga. Acredita que, se não for super, se não for mega, se não for uma executiva ISO 9000, não será bem avaliada. Está tentando provar não-sei-o-quê para não-sei-quem.

Precisa respeitar o mosaico de si mesma, privilegiar cada pedacinho de si.

Se o trabalho é um pedação de sua vida, ótimo!

Nada é mais elegante, charmoso e inteligente do que ser independente.
Mulher que se sustenta fica muito mais sexy e muito mais livre para ir e vir. Desde que lembre de separar alguns bons momentos da semana para usufruir essa independência, senão é escravidão, a mesma que nos mantinha trancafiadas em casa, espiando a vida pela janela.

Desacelerar tem um custo. Talvez seja preciso esquecer a bolsa Prada, o hotel decorado pelo Philippe Starck e o batom da M.A.C.
Mas, se você precisa vender a alma ao diabo para ter tudo isso, francamente, está precisando rever seus valores.

E descobrir que uma bolsa de palha, uma pousadinha rústica à beira-mar e o rosto lavado (ok, esqueça o rosto lavado) podem ser prazeres cinco estrelas e nos dar uma nova perspectiva sobre o que é, afinal, uma vida interessante'


Martha Medeiros - Jornalista e escritora

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

DEIXE DE SER VITIMA DOS PROBLEMAS E TORNE-SE PARTE DA SOLUÇÃO...

video

E agora? Hoje é sexta!!!

Pois é e agora hoje é sexta... nossa que pânico, mais um final de semana, ou "O FINAL DE SEMANA", como saber? sabendo oras, eu sei que será "O FINAL DE SEMANA", porque é assim que quero que seja, sei que vou te ver, está tudo planejado e arquitetado na minha cabeça, não você não me avisou que estaria aqui, mas eu sinto, sinto quando você está por perto, sinto sua presença, poderia ter ido pra longe, poderia estar muito longe daqui, assim não correria o risco de te encontrar, mas resolvi que vou encarar, quero te ver, não importa, não vai me ferir, não vai me magoar, quero apenas te ver, mais uma vez, não como das outras, talvez a última, talvez a primeira vez que vou de fato te ver, que você irá de fato me enxergar, saber o que ficou pra trás, os sonhos que tive, esperava de fato que você viesse me procurar, afinal foram tantos acontecimentos, afinal já tem tanto tempo, afinal você dizia que me amava, afinal dentro de mim ainda sinto que o que me afasta de qualquer outro é algo dentro de mim que diz que um dia você ainda irá aparecer, como naquele sonho, ilusão talvez, mas não adianta ninguém me faz feliz como você me fez, de uma forma totalmente louca, sem nenhuma razão, você dominou meu coração de tal maneira que só sobrou espaço para hospedes passageiros, viajantes que precisam de um lugar agradável pra estar por algumas noites, mas nunca uma morada definitiva, porque sua presença é tão forte que incomoda qualquer um que deseje ocupar este lugar...

"Procurei me manter afastado mas você me conhece faço tudo errado, tudo errado"
Charlie Brow Jr.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

PRA VOCÊ GUARDEI O AMOR...

A MÚSICA QUE HÁ EM MIM NO DIA DE HOJE... :)

Pra Você Guardei o Amor

Nando Reis

Composição: Nando Reis

Pra você guardei o amor
Que nunca soube dar
O amor que tive e vi sem me deixar
Sentir sem conseguir provar
Sem entregar
E repartir

Pra você guardei o amor
Que sempre quis mostrar
O amor que vive em mim vem visitar
Sorrir, vem colorir solar
Vem esquentar
E permitir

Quem acolher o que ele tem e traz
Quem entender o que ele diz
No giz do gesto o jeito pronto
Do piscar dos cílios
Que o convite do silêncio
Exibe em cada olhar

Guardei
Sem ter porque
Nem por razão
Ou coisa outra qualquer
Além de não saber como fazer
Pra ter um jeito meu de me mostrar

Achei
Vendo em você
E explicação
Nenhuma isso requer
Se o coração bater forte e arder
No fogo o gelo vai queimar

Pra você guardei o amor
Que aprendi vendo meus pais
O amor que tive e recebi
E hoje posso dar livre e feliz
Céu cheiro e ar na cor que arco-íris
Risca ao levitar

Vou nascer de novo
Lápis, edifício, tevere, ponte
Desenhar no seu quadril
Meus lábios beijam signos feito sinos
Trilho a infância, terço o berço
Do seu lar

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Versos em melodia...

Faço dos versos melodia
que aquece minha alma fria
em uma quarta-feira sombria
tudo em mim vira poesia
 
um raio de sol brotaria
um compasso criaria
uma flor germinaria
 
notas ao vento jogaria
em teus braços sonharia
doces beijos eu daria
 
fazendo teu coração de bateria
junto ao meu em sintonia
criando uma sinergia
no compasso da melodia
 
Nesta manhã tão fria
Ah! Como eu queria!!!
 
Morgana Fernandes - 23/09/2009

Carinhoso

Toquinho

Composição: Pixinguinha / João de Barro

Meu coração
Não sei porque
Bate feliz, quando te vê
E os meus olhos ficam sorrindo
E pelas ruas vão te seguindo
Mas mesmo assim, foges de mim

Ah, se tu soubesses
Como sou tão carinhoso
E muito e muito que te quero
E como é sincero o meu amor
Eu sei que tu não fugirias mais de mim

Vem, vem, vem, vem
Vem sentir o calor
Dos lábios meus
À procura dos teus
Vem matar esta paixão
Que me devora o coração
E só assim então
Serei feliz, bem feliz

Uma vontade de falar de AMOR...

Hoje me bateu uma vontade,
uma vontade louca de falar de amor,
uma vontade louca de sentir o amor
de viver
de sonhar
de cantar
de tocar
de cheirar
de beijar
e por fim hoje me deu uma vontade louca de libertar o amor,
deixa-lo assim livre, leve  e solto
compartilhar esse amor bonito
esse amor gostoso
esse amor que é meu e de mais ninguém
esse amor que é nosso, que é vosso
descobri que minha paixão é amar
amo os que em mim o fazem despertar
amo os que deixam o amor entrar
amo simplesmente o gesto de amar
e assim mesmo sem revisar
este amor vou aqui compartilhar...
 
Morgana Fernandes - 23/09/2009
 
E nesse clima de amor deixo uma música de Chico Buarque... dispensa maiores comentários!
 
Chico Buarque
 
O que será (à flor da pele)

O que será que me dá
Que me bole por dentro, será que me dá
Que brota à flor da pele, será que me dá
E que me sobe às faces e me faz corar
E que me salta aos olhos a me atraiçoar
E que me aperta o peito e me faz confessar
O que não tem mais jeito de dissimular
E que nem é direito ninguém recusar
E que me faz mendigo, me faz suplicar
O que não tem medida, nem nunca terá
O que não tem remédio, nem nunca terá
O que não tem receita

O que será que será
Que dá dentro da gente e que não devia
Que desacata a gente, que é revelia
Que é feito uma aguardente que não sacia
Que é feito estar doente de uma folia
Que nem dez mandamentos vão conciliar
Nem todos os ungüentos vão aliviar
Nem todos os quebrantos, toda alquimia
Que nem todos os santos, será que será
O que não tem descanso, nem nunca terá
O que não tem cansaço, nem nunca terá
O que não tem limite

O que será que me dá
Que me queima por dentro, será que me dá
Que me perturba o sono, será que me dá
Que todos os tremores me vêm agitar
Que todos os ardores me vêm atiçar
Que todos os suores me vêm encharcar
Que todos os meus nervos estão a rogar
Que todos os meus órgãos estão a clamar
E uma aflição medonha me faz implorar
O que não tem vergonha, nem nunca terá
O que não tem governo, nem nunca terá
O que não tem juízo

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Sonha comigo???

Quero viver em um Oasis, um lugar onde sempre haja sol, onde eu possa acordar todos os dias ouvindo o canto dos pássaros, com o barulho do mar compondo a melodia, quero viver em um lugar que ao entardecer eu sempre possa ver o sol se por no horizonte, e que a cada amanhecer virando de costas eu o veja nascer no mar, nascendo junto com ele um novo dia cheio de oportunidades, quero uma cabana de madeira, que da janela do meu quarto ao acordar pela manhã eu possa avistar minha plantação de ipês amarelos e pra completar a paisagem, muitas rosas, rosas naturais de todas as cores, algumas orquídeas, enfeitando o tronco das arvores, e mais uma colméia e muitos pássaros, esquilos, castores, animais de todas as espécies, um banco de madeira à sombra de um eucalipto onde eu possa sentar e contar minhas historias ao calor de uma fogueira que aqueça as possíveis noites frias, e iluminando um escuro quase que total, quero ter um lustre de estrelas brilhando sob minha cabeça e se confundindo com o clarão do fogo a iluminar minha face, e em meio a esse silêncio quase que total ouvir a voz da natureza me chamando pelo nome através das vozes da noite, do barulho da fogueira do quebrar das ondas, por fim quero estar em paz com ela, quero senti-la e sentir que junto a ela mora a verdadeira felicidade, quero sentir a terra, quero deixar a chuva molhar meu corpo, quero deitar na areia da praia e sentir a chuva beijar minha boca e desfrutar todo o deleite do sabor doce deste beijo, renovar minhas forças todas as manhãs ao mergulhar no mar, sentir a força das ondas quebrando sob meu corpo, quero deixar a onda me levar, não quero lutar contra, quero ao mergulhar ter instantes de inércia, me sentir parte do mar e depois ressurgir para a vida, quero deitar na minha rede da varanda, quero que todas as noites sejam de lua cheia para que todas as noites eu sinta as transformações dela em meu corpo, mudando o que sou, como penso e o que sinto, quero sentir a força da natureza agindo em meu corpo, curando minha alma, acalentando meu coração, quero acordar todos os dias e poder ver meus filhos correndo livres pelo quintal, sem cercas, sem grades, sem culpa e sem medo, e assim então sentindo a natureza em todas as suas formas, quero cuidar dela como ela cuida de mim, quero retribuir mesmo que de maneira ínfima todo o prazer que a ela em toda sua plenitude me proporciona, quero por fim deitar nas pedras da encosta e em silencio ouvir apenas o barulho do mar batendo nas pedras fazendo compasso com as batidas de meu coração, quero fechar os olhos e num instante mágico sentir a brisa do mar bagunçando meus cabelos e enfim envolta de toda essa magia adormecer, e ao acordar quero ter a certeza de que um dia nada disso será apenas sonho, quero acordar e ter a certeza de que ajudei a cuidar e transformar o lugar que vivo no mundo que sempre sonhei e no sorriso de cada criança quero ter a certeza de que vive ali a esperança de que esse Oásis não existe apenas nos meus sonhos, quero fazer com que todos compartilhem deste mesmo sonho e sinta ele presente cada vez que ouvir um pássaro cantar, uma rosa desabrochar, uma gaivota voar, um novo dia recomeçar...

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

USE-SE...

Faz algum tempo que não escrevo nada por aqui... Estive de férias, nossa tenho muito a dizer sobre minhas férias, mas vou buscar inspiração e escrever algo decente para postar, mas hoje estava remexendo uns arquivos e achei esse texto da Martha Medeiros do qual gosto muito e faço questão de ler de vez em quando e dependendo do momento da minha vida que leio esse texto ele toca em mim de maneira diferente, neste momento exatamente como ainda estou envolta na filosofia do Oasis, ele me tocou de uma forma especial que decidi compartilhar...

 

Penso que na vida nos usamos muito pouco, todos nós temos um potencial incrível a ser explorado, porém não usamos nem 5% dele, eu mesma descobri que sou capaz de tantas coisas no último mês que jamais imaginei, foram tantas formas inéditas de me usar, usei abusei e reinventei varias maneiras de fazer coisas que achei que jamais seria capaz, reservar um tempo para pensar em algo muito maior que nossa vidinha pacata e acomodada é uma excelente maneira de usar-se, dar um novo sentido a vida, as nossas ações, redescobrir um bom motivo para estar vivo, nossa a muito já não fazia tantos planos nem tinha tantos projetos, achava que minha vida estava meio que fadada a permanecer na mesmice, sem grandes aventuras, sem grandes paixões, sem grandes acontecimentos, planos, objetivos, nada...

Diria que esqueci do potencial que tinha, da minha capacidade de realização e idealização principalmente, dos meus sonhos, mas de repente algo aconteceu na minha vida e virou tudo de cabeça pra baixo, mudou minha estrutura, é como se houvesse uma venda nos meus olhos e de uma hora pra outra alguém, ou melhor, algo a arrancasse e enchesse minha vida de LUZ, de cor, de amor, de paixão, de sonhos, nossa foi uma luz tão intensa que surgiu diante dos meus olhos, que confesso que no inicio foi perturbador, foram tantas idéias novas surgindo, tantas sensações diferentes, me embriaguei dessa luz, me perdi nesse encanto e tive a certeza de que havia me encontrado, encontrado meu lugar no mundo, encontrado uma forma de devolver o sentido a minha vida, um bom motivo pra viver, um bom motivo pra trabalhar, um bom motivo pra lutar...

 

Descobri o amor, me apaixonei loucamente, mas acalmem-se não encontrei meu príncipe encantado, não me apaixonei por um homem, mas sim por uma causa, me apaixonei pelo Oasis, e essa paixão é tão arrebatadora quanto se tivesse encontrado o amor da minha vida, de repente descobri que poderia focalizar todo carinho, esforço e sentimento que geralmente dedico a relações humanas, para uma relação quase divina, uma relação de amor a um ideal, uma relação que faz bem aos outros, mas muito melhor  mim mesma, descobri a melhor maneira de usar-me, usar o que sou usar o que sinto descobrir tudo aquilo que posso ser e fazer, descobrir pessoas simplesmente fantásticas, centradas, obstinadas e idealistas, sonhadoras sim, mas com sonhos nobres, pessoas que sabem o porquê estão nesse mundo e ha que vale a pena dedicar uma vida, o quanto é gratificante viver em prol de uma causa, ver nos olhos dessas pessoas tudo que habita seus corações, que existem tantas coisas mais importantes no mundo que não vale a pena sofrer por bobagens...

 

Sei que estou apenas engatinhando, sei que tenho muito a aprender e um caminho infinitamente longo a percorrer por esta estrada sem fim, mas quero desfrutar ao máximo de todo prazer que esta nova paixão está me proporcionando, de toda alegria e satisfação, de toda magia de cada conquista, de cada sorriso, de cada novo amigo...

 

Hoje não mais acredito que tenha cumprido minha missão neste mundo,

Hoje acredito que ainda nem comecei minha missão

Hoje sei que posso ser muito mais do um dia sonhei

Hoje sei que meus sonhos são realidade

Hoje o sol brilha pra mim todas as manhãs até mesmo nos dias mais cinzentos,

Hoje todas as minhas noites são estreladas

Hoje meu céu é mais azul

Hoje tomo banho de mar no inverno e acho uma delicia

Hoje não perco tempo pensando bobagens

Hoje se passo noites em claro é conversando com amigos ou em uma roda de violão

Hoje paro pra ver a lua e isso não me traz solidão

Hoje não mais me sinto só, pois sei que tenho muitos a meu lado que pensam como eu

Hoje sou capaz de avistar vários Oasis no deserto

E acreditem não é uma miragem eu estava lá e vi guerreiros construírem estes Oasis

Hoje vou trabalhar duro junto com meus amigos

E um dia tenho certeza que olharei o horizonte e a dificuldade não mais será avistar um Oasis no deserto, mas quem sabe, talvez apenas um resquício de deserto no Oásis, neste lugar que chamamos de MUNDO...

 

Segue texto inspirador mais uma vez é claro de Martha Medeiros...

 
 
Modo de usar-se

"Coitada, foi usada por aquele cafajeste". Ouvi essa frase na beira da praia, num papo que rolava no guarda-sol ao lado. Pelo visto a coitada em questão financiou algum malandro, ou serviu de degrau para um alpinista social, sei lá, só sei que ela havia sido usada no pior sentido, deu pra perceber pelo tom do comentário. Mas não fiquei com pena da coitada, seja ela quem for.

Não costumo ir atrás desta história de "foi usada". No que se refere a adultos, todo mundo sabe mais ou menos onde está se metendo, ninguém é totalmente inocente. Se nos usam, algum consentimento a gente deu, mesmo sem ter assinado procuração. E se estamos assim tão desfrutáveis para o uso alheio, seguramente é porque estamos nos usando pouco.

Se for este o caso, seguem sugestões para usar a si mesmo: comer, beber, dormir e transar, nossas quatro necessidades básicas, sempre com segurança, mas também sem esquecer que estamos aqui para nos divertir. Usar-se nada mais é do que reconhecer a si próprio como uma fonte de prazer.

Dançar sem medo de pagar mico, dizer o que pensa mesmo que isso contrarie as verdades estabelecidas, rir sem inibição – dane-se se aparecer a gengiva. Mas cuide da sua gengiva, cuide dos dentes, não se negligencie. Use seu médico, seu dentista, sua saúde.

Use-se para progredir na vida. Alguma coisa você já deve ter aprendido até aqui. Encoste-se na sua própria experiência e intuição, honre sua história de vida, seu currículo, e se ele não for tão atraente, incremente-o. Use sua voz: marque entrevistas.
Use sua simpatia: convença os outros. Use seus neurônios: pra todo o resto.

E este coração acomodado aí no peito? Use-o, ora bolas. Não fique protegendo-se de frustrações só porque seu grande amor da adolescência não deu certo. Ou porque seu casamento até-que-a-morte-os-separe durou "apenas" 13 anos. Não enviuve de si mesmo, ninguém morreu.

Use-se para conseguir uma passagem para a Patagônia, use-se para fazer amigos, use-se para evoluir. Use seus olhos para ler, chorar, reter cenas vistas e vividas – a memória e a emoção vêm muito do olho. Use os ouvidos para escutar boa música, estímulos e o silêncio mais completo. Use as pernas para pedalar, escalar, levantar da cama, ir aonde quiser. Seus dedos para pedir carona, escrever poemas, apontar distâncias. Sua boca pra sorrir, sua barriga para gerar filhos, seus seios para amamentar, seus braços para trabalhar, sua alma para preencher-se, seu cérebro para não morrer em vida.

Use-se. Se você não fizer, algum engraçadinho o fará. E você virará assunto de beira de praia.
Martha Medeiros